Buscar a Deus

Para avaliar a riqueza de um país não olhamos o volume de dinheiro que ele possui. A riqueza e o potencial de uma nação são medidos pelo produto nacional bruto, que é a soma da produção do país. Na nossa vida ocorre o mesmo, se queremos ser pessoas prósperas, não podemos olhar para o que temos, mas para nossa capacidade de produção.

Em Mateus 6:33 está escrito: “buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas”. Quando cremos em Jesus e somos batizados, nos tornamos cidadãos do reino dos céus. Nossa cidadania é trocada e, consequentemente, as leis que nos governam também são trocadas. No reino dos céus há uma Constituição diferente. Precisamos descobrir que leis são essas para adequarmos nossa vida a elas. É necessário buscar o reino de Deus; trazê-lo para dentro de nós.

Quando um homem está sofrendo, Deus está falando que há coisas a serem acertadas. Observe que o versículo também diz que devemos buscar a justiça divina. A justiça de Deus é a Sua maneira de pensar e agir. Devemos saber aceitar todas as coisas que o Senhor realiza, pois Ele nunca é injusto. Talvez consideremos Deus injusto por não entendermos certas decisões que Ele tomou em nossa vida. Contudo, com o passar do tempo compreenderemos que Deus sempre faz tudo de forma justa e perfeita.

Para buscar o reino e a justiça é preciso muito esforço e disciplina. É necessária muita meditação na Palavra, oração e obediência. Todos os nossos fracassos são fruto de nossa carência de domínio próprio. Somente quando o Espírito Santo governa nossa mente é que possuímos domínio próprio. Eu lhe pergunto: como uma pessoa irá prosperar se dorme até as dez horas da manhã? Se não houver domínio próprio para acordar cedo e trabalhar, nunca haverá sucesso. A prosperidade vem apenas pelo trabalho sob orientação do Espírito de Deus, buscando o reino do Senhor em primeiro lugar. De nada adianta apenas trabalhar se não houver o guiar do Espírito. Nada e nem ninguém pode ocupar o lugar de Deus em nosso coração!

Miserável é alguém que está em escravidão. Hoje, existem muitos homens riquíssimos que são miseráveis porque são escravos das coisas naturais. Nós fomos feitos para dominar tudo o que é natural e não para sermos dominados por elas. Se você depende das coisas naturais para ser feliz, você é um miserável. Deus deseja nos libertar para nos tornar prósperos e ricos. Para isso, o Senhor primeiramente nos dá a libertação. Depois, Ele opera para nos conceder a liberdade. Nossa mente deve ter apenas um Senhor: Jesus. Devemos depender exclusivamente de Cristo.

Em João 8:36 está escrito: “Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres”. Essa é a promessa de Deus para cada um de nós. Portanto, não se acomode; busque conhecer a Cristo e viver o Seu padrão diariamente.

Equipe Pão de Judá


Auto análise

O Salmo 19 diz: “Quem há que possa discernir as próprias faltas? Absolve-me das que me são ocultas”. Todos os dias, nós deveríamos pensar nessa afirmação. Você já percebeu que nunca temos senso de autoanálise, no sentido de descobrir se estamos inadequados? Nós sempre nos autoanalisamos para nos vangloriarmos. Nossos grandes feitos são constantemente rememorados em nossa mente. Acostumamo-nos a reviver os sucessos passados para nos exaltarmos. Porém, a Palavra de Deus afirma que devemos refletir sobre os nossos erros. É lógico que nunca discerniremos nossas faltas, enquanto não tivermos o senso de avaliar nossa fraqueza. Você pode observar que sempre temos razões e justificativas para cada erro que cometemos. Essa vida de razões nos torna intransigentes com as pessoas, porque nos consideramos “donos da verdade”.

Deus nos diz que não temos condições de nos avaliar. Toda análise que fazemos de nós mesmos é falsa, porque ressaltamos apenas nossas habilidades. Em João 14:6 está escrito: “Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim”. Somente somos adequados para Deus quando obedecemos as Escrituras. Somente a Palavra de Deus é a verdade. A única verdade está em Jesus e Jesus é o Verbo, é a Bíblia. À medida que a conhecemos somos libertos e livres. Todos nós precisamos conhecer os mandamentos divinos. Apenas o Senhor Jesus pode nos livrar dos enganos que temos em nosso próprio pensamento.

Você já notou que constantemente nossa mente está julgando? Para cada pessoa, para cada situação, temos um rótulo. Contudo, no dia em que formos livres do domínio da velha natureza pecaminosa, deixaremos de julgar. O Cristo que habita em nós é cheio de amor. E o amor é dotado de liberdade. O amor aceita que as pessoas têm o direito de agirem como querem. Devemos compreender a verdade de que somos criatura de Deus e não juízes.

Em Jeremias 17:9-10 está escrito: “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá? Eu, o Senhor, esquadrinho o coração, eu provo os pensamentos; e isto para dar a cada um segundo o seu proceder, segundo o fruto das suas ações”. Quando confrontamos nossos pensamentos, atitudes e sentimentos com a Palavra de Deus somos expostos, porque enxergamos nossos erros. Então, temos que nos humilhar e clamar para que o Senhor nos transforme. A pior atitude que podemos ter diante disso é o “autoaperfeiçoamento”. Quando somos reprovados pela Palavra de Deus, não podemos tentar simplesmente nos “melhorar”. Nossa única saída é nos render ao Senhor em total obediência à Sua vontade revelada na Bíblia. Leia o Evangelho de Mateus, capítulos 5, 6 e 7 e deixe essas Palavras de Deus entrar no teu coração. Nenhum homem se conhece, apenas Deus conhece cada homem.

Equipe Pão de Judá


Pequenas coisas

Certa vez, um homem organizava uma grande festa, de muita importância. Ele deu o melhor de si para que tudo saísse perfeitamente. Ele cuidou de cada detalhe, de cada peça da decoração, do uniforme dos garçons, das toalhas e talheres. Depois de tudo pronto, chegou o grande momento e os convidados começaram a entrar no grande salão. O organizador vestiu sua melhor roupa e estava atento a tudo o que acontecia no ambiente. Ele fez questão de ser visto em plena atividade pela dona da festa, talvez isso resultasse em algum ganho extra ou no reconhecimento de seu magnífico trabalho.

Muito feliz, o organizador já ouvia alguns elogios e, ao designar uma tarefa a um auxiliar, viu um grão de milho de pipoca no chão, que o pessoal da cozinha havia deixado cair. Mas ele não deu atenção e continuou a correr de um lado para outro. Depois de meia hora, quando ia entregar uma grande bandeja de salgadinhos e refrigerantes a um garçom, ele pisou no grão de milho, perdeu o equilíbrio e caiu, espalhando canapés, copos e refrigerantes por todos os lados.

Muitas vezes, ao servir a Deus, somos como este organizador. Corremos de um lado para o outro fazendo muitas coisas, procurando o reconhecimento dos homens, mas não atentamos para as pequenas coisas. Um pecado não confessado; uma mágoa com alguém; um pedido de perdão não feito, uma pequena grosseria com quem está perto de nós, um pensamento impuro; um descontentamento com o próprio Deus… Não resolvemos essas questões com o Senhor e acabamos “espalhando grãos de milho” em nosso caminho.

Muitas vezes, até vemos os “grãos” em nossa vida, mas não lhes damos importância. Pensamos que estes detalhes não têm significância e até dizemos: “Ah! É só uma coisinha de nada, cuido disso outra hora…”. Entretanto, apenas uma destas pequenas coisas será suficiente para nos derrubar. Existe uma passagem bíblica que nos alerta sobre isto: “Aquele, pois, que pensa estar em pé, veja que não caia” (1Coríntios 10:12).

Hoje, o que mais derruba as pessoas não são os fatos chocantes e gigantescos, mas a aglutinação de pequenos detalhes maléficos não tratados segundo os princípios da Palavra de Deus. Tudo o que não resolvemos segundo o conselho divino pode vir a causar grandes estragos em nossa vida. Por isso, não podemos mais prorrogar ou não dar importância às pequenas coisas. Aquilo que para nós pode não parecer relevante, é muito importante espiritualmente (Isaias 55:8-9). Em Lucas 16:10 está escrito: “Quem é fiel no pouco também é fiel no muito; e quem é injusto no pouco também é injusto no muito”.

Equipe Pão de Judá


As ofensas e a amargura

Algo que o homem não sabe fazer é lidar com as ofensas que recebe. Desde que nascemos, todos já sofremos algum tipo de rejeição, tanto por parte da família ou dos amigos ou até mesmo na profissão que exercemos. Quem de nós nunca se sentiu rejeitado ou desvalorizado? Quem nunca sofreu com o desinteresse dos outros? E justamente o sofrimento é que demonstra que não sabemos lidar com as situações e nem com as pessoas que algum dia já nos desprezaram. Mas, quando digo isso, quero dizer que não sabemos lidar com tais circunstâncias de acordo com a Verdade e a Vontade de Deus, revelada na Bíblia. O que praticamos tem sido o oposto do que nela está escrito. Quando somos rejeitados, o que sabemos fazer é nos amargurar e até planejar alguma vingança.

Nesse ponto, percebemos que nossa natureza humana é inadequada (João 2.25). É rápido e fácil para a natureza humana se amargurar com pessoas ou até mesmo se amargurar com Deus por causa das circunstâncias em que se encontra. Por vezes, nosso coração está cheio e endurecido de amargura, mas não conseguimos perceber que ele está assim. Portanto, gostaria de salientar o significado da palavra amargura. Uma pessoa está amargurada quando ela está inconformada com a situação que vive ou, então, inconformada com o tratamento que os outros estão dispensando a ela. E é exatamente assim que o nosso coração está. Estamos completamente amargurados e nem percebemos que isso é verdade. Estamos enganados acerca de nós mesmos e plenamente cegos acerca de nossos maiores problemas.

Toda essa inconformidade está guardada em nosso íntimo. Você já se sentiu contrariado com os outros, porque pensava que as pessoas tinham que lhe tratar com mais amor, tinham que respeitar o seu trabalho e o seu esforço? Creio que sim. Aí pensamos: “tantas coisas boas eu já fiz, mas ninguém me valoriza!”. Isso revela o pensar de uma pessoa amargurada. Está inconformada com tudo na vida, e ainda pensa que Deus é injusto mandando tantos sofrimentos. Mas agora, precisamos ver a solução que a Palavra de Deus oferece para todos aqueles que desejam se livrar da amargura. Em Marcos 11:25, está escrito: “E quando estiverdes orando, se tendes alguma coisa contra alguém, perdoai…”.

Essa passagem é muito simples, assim como é simples vencer a amargura. É só praticar o perdão! Amargura significa dizer para Deus que você não quer perdoar uma determinada pessoa. E Deus pode abençoar alguém que diz isso para Ele? Por isso, Deus precisa ver no seu íntimo uma disposição em perdoar, em não guardar mágoas e ressentimentos. Perdoar é liberar a ação do Espírito de Deus sobre sua vida para que Ele venha a curar todas as feridas emocionais que você tem guardado no coração.

Equipe Pão de Judá


Abençoar e não amaldiçoar

É com grande facilidade que o homem é levado a questionar-se a respeito do amor de Deus para com ele. Certamente, já houve dias em que você duvidou do cuidado e da bondade de Deus para contigo. Isso acontece porque nem sempre as coisas ocorrem de acordo com a nossa vontade. Por exemplo: olhe para a sua vida e pense nas milhares de coisas que você acha que te faltam. Diante disso, creio que a primeira coisa que você pensa é: “Como Deus está falhando comigo! Nada de bom acontece na minha vida!”. Esses devem ser alguns dos principais pensamentos que povoam a sua mente e que, diariamente, te levam a questionar o amor e a bondade de Deus e até mesmo da Sua existência.

Quantas vezes você não achou que o Senhor estava falhando contigo? Por quantas vezes você já não disse ou pensou que Deus não serve para nada? Se há tais pensamentos em sua mente, preste bem atenção no que irei dizer: todos os seus sofrimentos e angústias são um sinal de que algum princípio bíblico está sendo quebrado na sua vida. E se analisar as suas atitudes à luz da Palavra de Deus, você verá onde está o erro causador de tantos males. Nosso maior problema é de sempre achar que o Senhor está falhando conosco, mas nunca percebemos que nós é que podemos estar falhando com o Senhor. E as suas dificuldades podem estar se originando daí. E uma das áreas em pode haver falhas da sua parte é a que está relacionada com a maneira como você trata uma pessoa que te prejudica. Seguidamente agimos da forma errada quando somos ofendidos e prejudicados.

Quando isso acontece na sua vida, qual a sua reação? Quando alguém te engana ou fala mentiras sobre sua pessoa, o que você faz? Geralmente damos o troco de imediato ou então planejamos uma boa vingança, desejando que tudo de mal aconteça para ela. Nossas reações geralmente se encaixam em uma dessas duas alternativas. E se suas reações são essas, preste bem atenção no que está escrito em Romanos 12:14: “Abençoai aos que vos perseguem; abençoai e não amaldiçoeis”. Você está praticando essa palavra? É claro que você pode argumentar que é impossível abençoar alguém que está lhe prejudicando grandemente. Mas veja que o versículo é bem claro quando diz que você deve abençoar e nunca amaldiçoar aquelas pessoas que estão te prejudicando.

Será que as suas dificuldades pessoais não estão sendo ocasionadas porque o que sai dos seus lábios é uma maldição contra alguém de que você não gosta? Faça um simples teste: lembre de alguém que já tenha te prejudicado algum dia. Você consegue abençoar essa pessoa? Ou o que passa pela sua mente não são só palavras de maldição? De repente, todas as bênçãos espirituais estão um pouco atrasadas no mundo natural porque a sua falha pode ser exatamente essa: a de sempre amaldiçoar e de nunca abençoar as pessoas de que não gosta. Mas mude, e você verá o agir de Deus na sua vida!

Equipe Pão de Judá

A vitória depende da prática

O maior fracasso na vida de um homem se deve ao fato de ele ignorar as palavras de Cristo, que estão contidas na Bíblia. Quando consideramos a Palavra de Deus como uma maldição ou como um jugo que nos leva a sofrer enfrentaremos muitas dificudades por isso.

Se você não considera as palavras de Jesus como o único caminho que te leva à vitória, você sempre se negará a aplicar a verdade de Cristo em sua vida. Então, todas as suas dificuldades irão permanecer vivas e, por mais que você ore e peça ajuda para Deus, Ele não fará nada, porque você está ignorando as coisas que há na Bíblia.

Precisamos entender que as coisas que você encontra na Bíblia não são um jugo, e nem são mandamentos que te levarão ao sofrimento. Esse é um dos maiores enganos que há na nossa mente. Nunca olhamos para a Palavra de Deus vendo nela a chance de vencer as dificuldades. É por causa disso que nada na nossa vida muda. Enquanto você não ver na Palavra de Deus a sua oportunidade de vencer, nunca haverá motivação de praticá-la, tanto na sua vida profissional como na familiar. O nosso problema é que conhecemos as nossas dificuldades. Convivemos com nossos problemas diariamente, e ficamos esperando que Deus faça algo mágico para mudar a situação em que nos encontramos. Então, o máximo que fazemos é orar e esperar que Deus faça algo sobrenatural na nossa vida, nos livrando milagrosamente das dificuldades. Mas é só isso o que fazemos! Ficamos esperando que o Senhor faça tudo sozinho! Esse é o nosso maior erro porque, na verdade, o que Deus quer é que você conheça a Palavra e a coloque imediatamente em prática na sua vida.

É nesse momento que os milagres acontecerão. Os milagres não se operam porque você os está esperando pacientemente, mas porque você decidiu praticar aquilo que já conhece da Palavra de Deus. Somente esta decisão é que pode mudar a sua vida. Tudo o que você necessita saber para mudar a situação em que se encontra está na Bíblia. Todos os conselhos de Deus para o homem estão lá. O próprio Jesus Cristo disse no evangelho de João, capítulo 12, versículos 49 e 50: “Pois eu não falei de mim mesmo, mas o Pai, que me enviou, me prescreveu o que dizer e do que falar. Eu sei que o seu mandamento é a vida eterna. Portanto, o que eu digo, digo-o como o Pai me disse”.

Essa passagem prova que tudo o que Jesus disse era o que Ele ouvia do Pai. Deus quer que você conheça as palavras que Ele falou através de Jesus para que elas possam mudar a sua vida. É assim que Deus pode operar milagrosamente na vida de um homem. Não é apenas esperar que Deus faça tudo sozinho, pelo contrário, Deus quer que você tenha uma participação ativa, conhecendo e praticando a Sua Palavra, para que Ele possa cumprir todas as Suas promessas na tua vida. Então, não perca mais tempo e comece a buscar na Bíblia aquilo que Deus deseja que você pratique. É a prática da Palavra que te levará à vitória sobre as dificuldades.

Equipe Pão de Judá

A virtude perdida

Quando Deus criou o Universo, Ele o fez com o único objetivo de tornar a criatura participante de Sua perfeição e bem-aventurança e, assim, mostrar nela a glória do Seu amor, sabedoria e poder. Deus desejava revelar a Si mesmo dentro e por meio dos seres criados, comunicando-lhes tanto de sua própria bondade e glória quanto eles fossem capazes de receber. Mas, esse repasse de virtudes não concede ao homem uma auto-existência, uma vida independente do Criador.

A relação da criatura com o Criador somente pode ser uma relação de ininterrupta, absoluta e universal dependência. Deus criou o homem pelo Seu imenso poder e também só Deus pode sustentá-lo a cada momento. Agora, para o homem voltar a ser um com Deus, ele precisa apresentar-se a Deus como um vaso vazio, no qual Deus possa habitar e manifestar Seu poder. A vida que Deus nos devolveu por meio de Jesus Cristo não nos é concedida de uma só vez, mas a cada momento, continuamente, pela operação incessante do Seu grandioso poder que é liberado pela Sua Palavra em nosso interior.

A humildade é a posição e a condição exata que nos coloca na plena dependência de Deus. Essa é a primeira e a mais elevada virtude do homem criado; é a raiz de toda virtude. O orgulho que habita no coração do homem torna-o obcecado e independente de Deus. Isso configura a perda da humildade e é a raiz de todo pecado e mal. No Éden, quando a serpente injetou o veneno do seu orgulho, o desejo de ser como Deus, no coração dos nossos primeiros pais (Gen 3:1-6), eles caíram da sua posição elevada para uma posição de desgraça, na qual nos encontramos ainda hoje (Sl 51:5). Seja no céu ou na terra, o orgulho, a autocontemplação é o fato gerador de maldição (Ez 28:11-19).

A nossa redenção tem de ser a restauração da humildade perdida (Tg 4:10). O relacionamento original e verdadeiro entre o homem e o Criador só é restaurado através da humildade. Por isso, Jesus veio trazer a humildade de volta à Terra e fazer-nos participantes desta humildade para, por ela, nos salvar. Nos céus, Jesus Se humilhou para tornar-Se homem, e aqui na terra Ele foi obediente até a morte (Fp 2:5-11). Foi por Cristo ser humilde que hoje temos a salvação e o Espírito que dá a vida eterna. Então, sempre que Cristo estiver em alguém, este mostrará humildade, porque Cristo é a própria humildade. Essa é uma virtude elevada que somente Cristo pode conceder aos homens!

Diz o Senhor Jesus: “Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma” (Mt 11:29).

Equipe Pão de Judá


A Vida quer entrar

Há uma lei natural que diz que duas coisas não podem ocupar o mesmo espaço ao mesmo tempo. Essa lei também se aplica a nós no que diz respeito ao trabalhar de Deus em nossa vida. A Bíblia fala muito das transformações que Deus quer fazer em nossa vida, tal como está escrito em Efésios, capítulo 4, versículo 31, que diz: “Toda a amargura, e ira, e cólera, e gritaria, e blasfêmia e toda a malícia sejam tiradas de entre vós”. Esta passagem bíblica nos dá um bom exemplo das coisas que nós fazemos, mas que Deus reprova. Lemos que todas estas coisas devem ser tiradas de nossas vidas. Isso é algo que Deus deseja realizar dentro de nós.

De acordo com a lei natural que lemos no início desta mensagem, duas coisas não podem ocupar o mesmo lugar ao mesmo tempo. No momento em que Deus fala que deseja retirar a amargura de dentro de nós, Ele está nos revelando que quer colocar outra coisa em nós, como por exemplo, a Sua paz. Mas, para que Deus possa colocar a Sua paz dentro de nós, deve haver em nosso interior um lugar vago para a paz de Deus. Por Deus saber que o nosso coração está cheio de outras coisas, Ele nos pede que venhamos a retirar a amargura, a ira e tantos outros sentimentos que contrariam a Lei do Senhor. Portanto, para que Deus possa nos encher da Sua vida e da Sua natureza, Ele precisa esvaziar o nosso interior das coisas pecaminosas que guardamos dentro de nós, assim como lemos em Efésios 4:31. A vida de Deus, que é santa, não pode ocupar totalmente o nosso coração até que toda a morte, que é todo o pecado, seja retirada de dentro de nós.

Esse é um princípio bíblico que poucas pessoas conhecem. Freqüentemente vemos pessoas que clamam pela paz de Deus, mas elas nunca recebem essa paz. Você sabe por que elas não recebem essa paz? Porque não há espaço vago em seu coração para que Deus coloque a paz. Por esse motivo Deus nos alerta para deixarmos Ele retirar de dentro de nós tudo o que é pecaminoso. Eu posso orar ao Senhor várias vezes pedindo a Sua mansidão, mas como Deus irá colocar em mim a Sua mansidão se eu não abro mão da minha ira? Você pode ver que a ira e a mansidão são sentimentos totalmente opostos. Pode uma pessoa ter tais sentimentos ao mesmo tempo? Não esqueça de que duas coisas diferentes não podem ocupar o mesmo espaço ao mesmo tempo. A ira e a mansidão não podem estar dentro de você ao mesmo tempo. Afinal, ou você é uma pessoa irada ou uma pessoa mansa. Você não pode ser as duas coisas ao mesmo tempo.

Por isso, Deus nos alerta para que venhamos abrir mão dos nossos sentimentos que estão em oposição à vontade de Deus. Quando renunciamos a essa oposição, Ele coloca a Sua natureza e os Seus sentimentos em nosso íntimo. Somos como um vaso. Somente quando está vazio é que ele pode ser preenchido com alguma coisa. Portanto, quando somos esvaziados do nosso agir independente de Deus (pecado), é que somos cheios da vida de Deus.

Equipe Pão de Judá

A vida exemplar de Cristo

A vida de Jesus foi uma vida exemplar. Ele foi o único homem que nunca pecou. Jesus teve essa vida santa porque Ele era humilde e dependente de Deus. No livro de Filipenses, no capítulo 2, do versículo 5 ao 8, está escrito: “De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus, que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, mas a Si mesmo se esvaziou, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens. E, achado na forma de homem, HUMILHOU-SE a Si mesmo, sendo obediente até a morte”. Nessa passagem que lemos podemos ver que a vida de Cristo foi uma vida de humildade e obediência. Jesus sempre demonstrou dependência a Deus em todo o Seu viver aqui na terra.

Muitas pessoas interpretam de forma errada a palavra humildade. Acham que ser humilde é se deixar humilhar pelas outras pessoas. Mas, o que a Palavra de Deus ensina acerca da humildade é bem diferente. Para o Senhor, somos humildes quando não temos amor próprio. Se analisarmos a conduta de Cristo, veremos que Ele se esvaziou e assumiu a postura de servo. Isso é não ter amor próprio. Cristo escolheu servir aos homens. Ele era humilde porque era submisso à vontade do Pai. Assim, nós seremos humildes quando nos esvaziarmos de todo o nosso egoísmo e amor próprio e escolhermos servir ao Senhor de forma incondicional. Essa foi a escolha feita por Cristo. Deus o considerou humilde porque Ele, em tudo, foi obediente. Essa deve ser a nossa postura para com Deus. Ele quer que sejamos humildes e que tenhamos disposição para sermos submissos à Sua vontade.

Analise um pouco da vida de Cristo. Se você ler a Bíblia com bastante atenção, você verá que Jesus apenas servia a Deus e aos homens. Ele estava sempre disposto a fazer a vontade de Deus. Ele poderia ter resistido à cruz, mas por obediência Ele escolheu ir para a cruz e morrer por todos nós. Deus quer que nós tenhamos a mesma postura de Cristo. Se Ele foi humilde, nós também podemos ser, porque o mesmo Deus e o mesmo Espírito que estavam com Cristo, hoje estão conosco. Você somente será humilde quando a sua postura for de obediência e submissão.

No evangelho de Mateus, capítulo 11, versículo 29, está escrito: “Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, porque sou MANSO e HUMILDE de coração.” Nós realmente precisamos aprender a ser humildes assim como Cristo foi. Precisamos ter aulas de humildade com o Senhor Jesus. O material está à sua disposição, que é a Palavra de Deus. Leia a Bíblia e aprenda a ser humilde como Jesus foi. Preste atenção à conduta de Cristo e você aprenderá a ser manso e humilde de coração. Ele mesmo disse, no versículo que lemos: “aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração”. Tome a vida de Jesus como um exemplo. Ele nunca fez alguma coisa em Seu próprio benefício ou esperando ganhar algo para Si mesmo. Mas toda a Sua vida foi para agradar a Deus e para servir e beneficiar os homens.

Equipe Pão de Judá

A sabedoria de Deus

Um certo dia, os escribas e fariseus trouxeram a Jesus uma mulher que fora apanhada em flagrante adultério e os judeus disseram ao mestre: “A lei de Moisés nos manda apedrejar tais mulheres até a morte, Tu, pois, que dizes?” Evidentemente, eles não estavam preocupados com o cumprimento da lei mosaica, mas estavam tentando a Jesus. Se Ele dissesse que a lei deveria ser cumprida, poderiam acusá-lo de não amar, de não ser misericordioso ou algo assim. E caso não quisesse cumprir a lei, alegando que, por amor, Deus perdoaria aquela pecadora, seria acusado de estar violando a lei de Moisés e não mais seria aceito pelo povo como profeta ou enviado de Deus.

Que fez então Jesus? Inclinado, escrevia na areia com o dedo. Creio que os judeus até estivessem rindo da situação de Jesus, por pensarem que haviam conseguido encurralá-lo, deixando-o sem resposta e, por não ter como resolver a questão, escrevia no chão para evitar ter que falar. Então insistiram na pergunta. Por isso, Jesus se levantou e disse: “Aquele que dentre vós estiver sem pecado, seja o primeiro que lhe atire a pedra”.Ele não disse se deveriam ou não observar a lei de Moisés, antes usou de muita sabedoria.

Após dizer isso, tornando a inclinar-se, continuou a escrever no chão. Mas ouvindo eles esta resposta e acusados violentamente pelas suas próprias consciências, foram se retirando um por um, a começar pelos mais velhos, até os últimos. Todos foram iluminados interiormente. Porque todos têm pecados.

Por isso Jesus disse: “Eu sou a luz do mundo”. Sem a luz aquelas pessoas jamais saberiam que estavam carregadas de pecados. Aquelas pessoas consideravam-se muito sábios e supunham poder encontrar alguma falta em Jesus. No entanto, ao serem iluminados viram que eram cheios de pecados e nada mais puderam fazer senão irem embora desmoralizados e envergonhados pelas suas condições caídas. A mulher, no entanto, permaneceu ali diante de Cristo, a “Luz do Mundo”. Ela estava assustada, envergonhada, fragilizada, sentindo-se a última das pessoas. Mas Jesus lhe disse: “Mulher onde estão os teus acusadores? Ninguém te condenou?” Respondeu ela: “Ninguém Senhor”. Então disse Jesus: “Nem Eu te condeno, vai, e não peques mais”.

Equipe Pão de Judá